2 pessoas decapitadas e queimadas por praticar 'magia negra' em Assam na Índia

Uma boneca vodu que é usada para praticar magia e ferir a vítima pretendida. Foto: The Sentinel Assam

Duas pessoas, incluindo uma mulher, foram linchadas, decapitadas e queimadas na sexta-feira no distrito Karbi Anglong de Assam sob suspeita de praticar magia negra.



A polícia disse que nove pessoas foram presas e que esforços estão em andamento para prender mais seis.

Ramawati Halua (50) e Bijoy Gour (28), ambos pertencentes à comunidade Adivasi e residentes da vila de Rohimapur, foram atacados por vizinhos na noite de 30 de setembro e 1º de outubro.

As vítimas foram atacadas por armas afiadas e depois de assassinadas, seus corpos foram queimados. A polícia disse que os moradores enfurecidos decidiram matar o homem e a mulher depois que um tribunal canguru na área declarou que eles estavam envolvidos na prática de magia negra.

Restos mortais das vítimas coletados na pira em chamas, bem como amostras de solo do local do assalto foram coletados na presença do Magistrado Executivo, disse um policial.

Debojit Deuri, SP de Karbi Anglong falou ao The Hindustan Times e disse que aqueles que mataram as vítimas o fizeram com planejamento e os conheciam.

Ele disse que a investigação inicial revelou que os moradores acreditavam que os dois estavam espalhando infortúnios e doenças na aldeia por meio de magia negra.

Matar mulheres por causa de alegações de prática de bruxaria em Assam é uma prática antiga. De acordo com dados do governo, 107 pessoas foram mortas em incidentes de caça às bruxas no estado desde 2011.

A Lei Assam Witch Hunting (Proibição, Prevenção e Proteção) está em vigor desde 2018. A Lei recomenda punições severas para aqueles que marcam as pessoas como bruxas e depois as matam.

Recomendado