FBI investiga a Fundação Clinton: relatórios

À ESQUERDA: Presidente dos EUA, Donald Trump. REUTERS / Arquivo; À DIREITA: Um agente especial do Federal Bureau of Investigation (FBI) investiga uma cena em Queens, Nova York, EUA, 25 de março de 2010. REUTERS / Chip East / Files; SUPERIMPOSTO: O ex-presidente dos EUA Bill Clinton e a ex-secretária de Estado dos EUA Hillary Clinton em Manhattan, Nova York, EUA, 6 de janeiro de 2015. REUTERS / Carlo Allegri / Files

WASHINGTON: O Federal Bureau of Investigation está investigando a fundação do ex-presidente Bill Clinton em meio à pressão do presidente Donald Trump e às alegações de corrupção de legisladores republicanos, informou a mídia dos EUA na sexta-feira.



The Hill, um site de notícias que cobre o Congresso, a CNN e o New York Times, todos confirmaram que os investigadores do Departamento de Justiça estão investigando questões envolvendo doações à Fundação Clinton em troca de favores políticos, enquanto a esposa do ex-presidente, Hillary Clinton, estava secretário de estado de 2009-2013.

O Departamento de Justiça não confirmou a investigação, mas em novembro informou ao presidente do Comitê Judiciário da Câmara, Robert Goodlatte, que o procurador-geral Jeff Sessions estava avaliando a necessidade de uma investigação sobre um polêmico acordo de urânio que envolvia um grande doador para a fundação.

A Fundação Clinton disse que já havia provado repetidamente que tais alegações estavam erradas.

“Vez após vez, a Fundação Clinton foi submetida a alegações de motivação política e, vez após vez, essas alegações foram provadas falsas. Nada disso nos fez vacilar em nossa missão de ajudar as pessoas ', disse o porta-voz da Fundação Craig Minassian em um comunicado.

Nick Merrill, porta-voz de Hillary Clinton, disse ao The Hill que a investigação era 'uma farsa' e disse que Sessions estava 'cumprindo as ordens de Trump' ao levar o caso adiante.

'Esta é uma filantropia que faz um trabalho de mudança de vida, que os republicanos tentaram transformar em uma bola de futebol política', disse Merrill sobre a fundação.

Trump, via Twitter e em discursos, pediu repetidamente ao Departamento de Justiça para reabrir uma investigação no servidor de e-mail privado de Hillary Clinton, a quem ele derrotou na eleição presidencial de 2016.

Ele também levantou no ano passado várias vezes o negócio do urânio. Isso envolveu a venda em 2013 da mineradora canadense Uranium One para a estatal russa Rosatom, que foi aprovada pelo ex-presidente Barack Obama.

A mudança deu à Rosatom o controle de 20 por cento dos estoques de urânio dos EUA e foi decidida depois que o Uranium One fez doações consideráveis ​​à Fundação Clinton.

A notícia da investigação surge em meio a uma campanha republicana intensificada para minar a investigação do advogado especial independente Robert Mueller sobre o suposto conluio entre a campanha de Trump e a interferência russa nas eleições de 2016.

Mueller também está investigando se Trump tentou obstruir a investigação na Rússia.

Recomendado